Consumidor só conseguiu portabilidade após 159 dias

andre-mansur-portabilidade-zero
 

O tempo de transferência para efetivação da portabilidade numérica para linhas móveis – ou seja, a troca de operadora de telefonia sem alteração do número – é de três dias úteis após o pedido de troca, de acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Em nenhum caso o prazo pode ultrapassar 5 dias úteis, a não ser em situações em que o usuário tenha agendado uma data para a troca de operadora. Sabendo dessa regra, o corretor de imóveis Liberato Chiovitti, que tem 51 anos e usa o celular com muita frequência para trabalhar, solicitou a transferência de sua linha da TIM para a Vivo no dia 28 maio deste ano. Porém, a portabilidade foi concluída somente no dia 20 de junho – o que não garantiu o fim dos problemas.

Liberato conta que, após o pedido de portabilidade, a linha passou a apresentar problemas com frequência. “Sempre estava ocupado, funcionava 3 dias e parava”, lembra o corretor. Até que, em setembro, ele parou de vez de receber ligações. Quem tentava ligar ouvia a mensagem: “Claro informa: não foi possível completar a sua ligação.” “Não errei, a mensagem era da Claro mesmo”, confirma o usuário, questionando o fato de ele ter solicitado a transferência da TIM para a Vivo e ter ficado em uma terceira operadora.

Até a última segunda-feira (14), o problema não estava resolvido e Liberato já tinha registrados 10 protocolos de atendimento na Vivo, duas reclamações à Anatel e outras duas ao Procon. “Trabalho com vendas e este número de celular é o meu contato com a empresa e clientes há mais de 6 anos, foram sérios problemas pessoais e profissionais com meus clientes que não conseguiram me ligar.”

O G1 entrou em contato com a Vivo na segunda-feira (14) para pedir informações sobre os problemas de demora na conclusão da portabilidade e de integração entre operadoras. A empresa explicou que “houve uma falha sistêmica pontual”, mas não deu detalhes sobre o que ocasionou o problema.

Na quarta-feira (16), a operadora entrou em contato com Liberato e informou que a portabilidade seria concluída até o dia seguinte. A mudança foi concluída na data e o leitor afirma que, desde então, não teve mais problemas com ligações.

Devolução do dinheiro
No dia 3 de outubro, Liberato registrou reclamação no Procon sobre as cobranças na fatura em relação a dias em que o serviço ficou indisponível. O corretor conta que havia solicitado o reembolso, mas foi informado pela Vivo de que a quantia seria devolvida “em créditos e conta de prestação de serviços”, e não seria possível fazer o retorno total porque o plano inclui mais um cliente, o filho de Liberato.

Na segunda-feira (21), no entanto, ele afirma que recebeu uma ligação da operadora sobre o assunto e uma atendente “ofereceu todos os valores pagos de volta em dobro, mais R$ 200 de créditos, fora a fatura do mês com zero de cobrança, porém tudo para dia 10 de novembro”.

 

FONTE: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *