Bandeira vermelha é mantida e contas de luz ficam mais caras em abril

bandeira-vermelha-e-mantida-e-contas-de-luz-ficam-mais-caras-em-abril

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) decidiu na última sexta-feira, dia 27, que as contas de luz dos brasileiros continuarão com bandeira vermelha em abril, continuando assim mais altas. Elas estão vermelhas desde janeiro, indicando que o custo da produção de energia no país segue muito alto e, por isso, a população deve permanecer economizando.

Esse sistema estabelece a cobrança de uma taxa extra de R$ 5,50 para cada 100 kWh (quilowatts-hora) de energia usados. Os recursos arrecadados pelas distribuidoras vão servir para financiar a produção de energia mais cara, devido principalmente ao uso mais intenso das termelétricas.

Entenda as bandeiras

Verde:

Condições favoráveis de geração de energia. Reservatórios cheios. A tarifa não sobe.

Amarela:

Condições menos favoráveis. Tarifa sobe mais R$ 2,50 a cada 100 kWh.

Vermelha:

Custo de energia mais caro. Térmicas ligadas. Tarifa sobe R$ 5,50 a cada 100 kWh.

A medida vale para todo o país, exceto os estados do Amazonas, Amapá e Roraima, que não estão ligados ao sistema nacional de transmissão de energia, e são atendidos isoladamente por termelétricas.

Funcionamento

Em vigor desde 1º de janeiro, as bandeiras tarifárias permitem o repasse mensal aos consumidores de parte do gasto extra das distribuidoras com o aumento do custo da eletricidade. Antes, as distribuidoras eram obrigadas a bancar essa conta para serem ressarcidas quando do reajuste, que ocorre uma vez por ano.

O custo de produção de energia aumenta no país em situações como a vivida atualmente, em que a falta de chuvas reduz o armazenamento de água nas hidrelétricas e é necessário usar termelétricas. Essas usinas são movidas a combustíveis como óleo e gás e, por isso, a energia produzida por elas é mais cara.

Os consumidores serão informados, na conta de luz, sobre a bandeira em vigor. Se ela for verde, a tarifa não sofre nenhum acréscimo. Amarela, o aumento é de R$ 2,50 para cada 100 KWh (quilowatt-hora) consumidos. Vermelha, o consumidor paga R$ 5,50 para cada 100 KWh consumidos no mês.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *